História

Fundação

Em 1753, Egbert Douwers (1723-1802) e a sua mulher, Akke Thijsses, abriram uma pequena loja em Joure onde vendiam produtos coloniais, nomeadamente, café, chá e tabaco. A escritura da aquisição da loja foi assinada no dia 11 de março de 1753.

Em 1780, Douwe Egberts (1755-1806), seu filho, começou a trabalhar na loja juntamente com os pais. Enquanto estes mantinham a sua loja De Witte Os a funcionar, Douwe Egberts viajava, indo ao encontro dos clientes em Joure e muito além disso. Douwe Egberts foi igualmente bem sucedido ao estabelecer a reputação da sua empresa e dos seus produtos muito além da cidade de Joure.

No mesmo ano, Douwe Egberts e a respetiva mulher, Ymke Jacobs, assumiram a empresa do pai de Douwe, tendo a mesma mantido o seu nome até aos dias de hoje.

Depois da morte de Douwe em 1806, a sua segunda mulher, Lysbeth Mintjes, comunicou num anúncio no Leeuwarder Courant que o “negócio iria continuar.” Este terá sido o primeiro anúncio publicado desde sempre pela empresa.

De Witte Os

A loja original De Witte Os foi adquirida em 1871 por Johannes Hessel de Jong (1833-1883), destinando-se à utilização enquanto propriedade comercial. O nome da loja (The White Ox) remonta ao talho, que Egbert Douwes (1723-1802) e Akke Thijsses mantiveram anteriormente durante algum tempo. Desconhecem-se mais detalhes nesse sentido.

Naquela altura, era muito comum a existência de um touro estampado na placa de identificação dos talhos. Para além do nome da loja, a designação de De Witte Os foi igualmente utilizada durante muito tempo enquanto marca comercial de tabaco, cujo registo data de 1881. A 4 de março de 1910, De Witte Os também se tornou na denominação comercial de café, chá e produtos de mercearia.

O negócio na loja corria bem. A casa de família, anteriormente comprada (1831) por Hessel Douwes de Jong (1802-1855) situava-se na porta ao lado da mesma. A casa ficou destruída num incêndio que deflagrou em 1881, mas a loja escapou a esse flagelo.

Inicialmente, a loja servia de grossista, fornecendo outros lojistas e retalhistas. Uma grande variedade de produtos era também vendida ao balcão até à Primeira Guerra Mundial. Café, tabaco e chá representavam os produtos mais importantes, porém, na loja também eram vendidos doces, açúcar, arroz, massa, agentes de branqueamento (para dar brilho aos têxteis), chicória, canela, açafrão, xarope, vinagre, chocolate, cachimbos da cidade de Gouda e frutos exóticos.

Durante os dias da semana, a loja abria das 7:00 às 21:00, ampliando-se o horário de funcionamento até às 22:30 aos sábados. O estabelecimento também abria aos domingos durante algumas horas. Depois de 1920, a loja confinou as suas linhas de produtos ao tabaco, café e chá.

O estabelecimento encerrou a atividade durante a Segunda Guerra Mundial e o último proprietário da loja, o Sr. Aano Schepen, mudou-se para o escritório em Joure em 1944. O edifício foi então temporariamente utilizado para outros fins, designadamente, o alojamento das famílias dos funcionários. De Witte Os entrou assim num longo período de dormência.

Depois de um restauro integral realizado pela empresa contratada Ids Riemersma com sede em Goingarijp, De Witte Os reabriu as suas portas numa terça-feira, dia 1 de maio de 1980, não enquanto loja no sentido mais habitual, mas, sim, como parte do complexo museológico Johannes Hessel-Huis (conhecido como Joure Museum). Desde então, a loja continua a vender o café e o chá De Witte Os embalado à maneira antiga, assim como os doces dos tempos de outrora.

O grande incêndio de Joure

Na noite de 14 de outubro de 1881 deflagrou um incêndio de grandes dimensões em Joure. O fogo teve início numa carpintaria e terá, eventualmente, destruído um total de catorze casas, lojas e edifícios comerciais. Entre estes, estavam a casa da família Jong, a fábrica de tabaco totalmente nova, o armazém de café, a fábrica de torrefação de café e o enorme aprovisionamento de tabaco, café e doces de Jong. Não existem registos sobre o que aconteceu ao stock de chá. A empresa já tinha sido assumida por Johannes Hessel (1833-1883) em 1858 e depois do incêndio, o mesmo decidiu proceder o mais rapidamente possível à respetiva reconstrução.

Expansão para Utrecht

Durante os primeiros 145 anos da empresa até 1898, todos os seus negócios eram dirigidos a partir da rua Midstraat em Joure. A empresa começou a crescer e Johannes de Jong (1869-1955) decidiu ampliá-la em 1898 mediante a construção de uma nova fábrica no jardim da casa de família.

Estas novas instalações eram utilizadas para processar café e tabaco. O crescimento favorável da empresa e a dimensão limitada do armazém contribuíram para que Cornelis Johannes pensasse numa ampliação adicional. Em 1912, o mesmo comprou edifícios, terrenos e quatro casas situadas junto de Slachtedijk, na margem do canal Zijlroede em Snikzwaag. Este complexo servia anteriormente de lagar de azeite e de instalações de processamento de manteiga e leite. A fábrica de torrefação de café, as instalações de processamento de tabaco e os escritórios da empresa mudaram para esse edifício em 1913.

Em janeiro de 1919, Cornelis Johannes comprou “uma casa com dependências, anexos, pátio e terreno em Utrecht no número 10 da rua Catharijnekade.” A propriedade era utilizada para a torrefação, o embalamento e a comercialização de café, fornecendo essencialmente o centro e o sul dos Países Baixos.

Os arquivos não fornecem informações sobre os motivos da mudança para Utrecht, mas esta mudança para o centro dos Países Baixos ajudou certamente no que à logística dizia respeito.

Em 1920, a empresa continuava a prosperar, tornando uma ampliação adicional necessária. Em 1931, deu-se início à expansão do complexo em Joure com a aquisição do lagar de azeite da empresa Boer em Slachtedijk. Contrariamente, não era possível ampliar as instalações na rua Catharijnekade em Utrecht. Este problema foi resolvido em 1929 com a aquisição do edifício fabril no Merwedekanaal. As instalações de Utrecht mudaram depois na totalidade de Catharijnekade para Merwedekade (agora com a designação de Keulsekade).

O edifício na rua Catharijnekade foi utilizado como espaço de armazenamento durante anos até ser vendido no dia 30 de outubro de 1976. Em 1955, a fábrica de Keulsekade foi ampliada com a aquisição do terreno adjunto e dos edifícios que haviam pertencido à N.V. Utrechtse Walswerken. Originalmente, a expansão de Keulsekade tinha como objetivo fornecer apoio logístico às operações da empresa no centro dos Países Baixos, mas, finalmente, tornou-se na sede da Douwe Egberts.

História da Família

Douwe Egberts, filho de Egbert Douwes e de Akke Thijsses, nasceu no dia 10 de janeiro de 1755. Douwe casou com Ymkje Jacobs Visser em 1775. Depois da morte desta, casou novamente com Lysbeth Mintjes em 1791. Douwe Egberts morreu no dia 19 de fevereiro de 1806 e a sua mulher deu continuidade à empresa.

Em 1811, os Países Baixos ficaram sob a liderança de Louis Bonaparte, um irmão de Napoleão Bonaparte. No dia 18 de agosto de 1811, um decreto imperial requeria que cada família holandesa, que ainda não tivesse um apelido, escolhesse um e o registasse no espaço de um ano. Os descendentes de Douwe Egberts optaram por adotar o nome Jong enquanto seu nome de família.

Cornelis Johannes de Jong

De 1887 a 1955, a empresa Douwe Egberts foi liderada por Cornelis Johannes de Jong, que exercia uma forte influência sobre a fortuna, quer da empresa, quer da família. Devido ao seu trabalho árduo e bom sentido de negócio, Cornelis Johannes era, por vezes, também designado de segundo fundador da empresa, tendo liderado a fundação da moderna corporação Douwe Egberts.

O mesmo assumiu o controlo da empresa quando tinha apenas 20 anos, tendo sido responsável pela primeira ampliação da empresa. Também abriu as instalações de apoio logístico de Utrecht em 1919, que viriam a transformar-se na sede da empresa.

Cornelis Johannes era um homem obstinado. Usava um chapéu de coco todos os dia e se este estivesse inclinado para trás na sua cabeça, então, tal significava que seria um bom dia para todos. Mas, se o chapéu estivesse puxado para a frente, o melhor seria evitar o Senhor CJ, como era chamado pelos funcionários de longa data.

O nome Douwe Egberts

A loja e, mais tarde, a empresa ficaram famosas através da designação de Douwe Egberts e não como Egbert Douwers, o nome do fundador do estabelecimento. Isto reflete o aspeto de ter sido o filho Douwe Egberts quem contribuiu para a reputação da empresa no norte dos Países Baixos, enquanto o seu pai centrou-se sempre em manter o funcionamento da loja em Joure.

Empresa da viúva Douwe Egberts

Depois da morte de Douwe Egberts em 1806, a respetiva viúva, Lysbeth Mintjes (1767-1833), assegurou que a empresa iria continuar sob o nome de Weduwe Douwe Egbertszoon (Empresa da viúva Douwe Egberts). Em 1810, a empresa adicionou mais uma instalação de processamento de tabaco ao existente. Depois da morte de Lysbeth Mintjes em 1833, a mesma continuou a funcionar pelas mãos dos filhos de Douwee de Lysbeth, designadamente, Mintje (1798-1844), Thijs (1800-1845), e Hessel (1802-1855), juntamente com Ruurd (1782-1871), um filho do primeiro casamento de Douwe Egberts.

Os quatro desenvolveram uma empresa que existiu entre 1833 e 1845. Ruurd ficou encarregue da administração, Hessel geria a compra e a torrefação do café, Mintje era responsável pela compra e o processamento de tabaco e Thijs exercia a função de chefe de vendas externas. A empresa também vendia chá, embora, provavelmente, os lucros das vendas de chá tivessem começado a decair durante esse mesmo ano, tornando-se o tabaco na linha de produtos mais importante da empresa.

Depois das mortes sucessivas de Mintjee de Thijs, os dias da empresa estavam contados, dado o desentendimento entre Ruurd e Hessel sobre o seu futuro. A empresa foi dividida com Hessel Douwes de Jong a dar continuidade ao comércio do tabaco, café e chá, paralelamente com o seu negócio de produtos agrícolas e bebidas espirituosas. A existência continuada da Douwe Egberts estava seriamente em risco, mas Hessel Douwes terá definitivamente dado continuidade à empresa sob o nome de Weduwe Douwe Egbertszoon (1845-1919).

Crescimento

A partir de 1919, Douwe Egberts começou a expandir o seu foco em todo o mercado holandês com o seu café, chá e tabaco, tornando-se eventualmente na marca de liderança no momento da eclosão da Segunda Guerra Mundial. Os representantes de vendas viajavam por todo reino, fornecendo produtos da Douwe Egberts.

A empresa cresceu rapidamente depois de 1945, estendendo-se muito além de Utrecht e de Joure. Em todos os Países Baixos abriam lojas e até na Bélgica, França, Espanha e Dinamarca. Adicionalmente às suas atividades de importação e de exportação e das filiais internacionais, Douwe Egberts estava também empenhado em adquirir outras empresas. Em finais de 1960, Douwe Egberts começou a procurar mais oportunidades de crescimento que iriam internacionalizar a empresa.

Fim da empresa familiar

Com o crescimento da empresa, um grande número de funcionários não fazia certamente parte da família De Jong. Também tornou-se quase impossível deixar a liderança de uma empresa desta dimensão nas mãos de apenas algumas pessoas.

À medida que as gerações avançavam, tornou-se evidente que Douwe Egberts se aproximava do seu fim enquanto empresa familiar. Em janeiro de 1978, a empresa foi comprada pela American Consolidated Foods Corporation, mais tarde conhecida pelo nome de Sara Lee.

Sara Lee/DE

Nathan Cummings estabeleceu a fundação da Sara Lee Corporation ao adquirir a C.D. Kenny Company em 1939, uma empresa que comercializava café, chá e açúcar.

Nos anos que se seguiram, realizaram-se muitas aquisições e a empresa tornou-se conhecida através da designação de Consolidated Foods Corporation. A empresa Kitchens of Sara Lee, fundada em 1949 por Charles W. Lubin, tornou-se famosa nos Estados Unidos pelas suas tartes congeladas, tendo sido adquirida pela CFC em 1956. O primeiro passo da empresa para fora dos Estados Unidos consistiu na aquisição da empresa holandesa Jonker Fris em 1962.

A edição de Natal do boletim informativo da empresa referia em 1976 uma “possível colaboração entre a Douwe Egberts e a Consolidated Foods”, que, na verdade, teve lugar dois anos mais tarde quando a CFC comprou uma parte de 65% da Douwe Egberts com 26% dos direitos de voto. Em 1984, a sua participação aumentou para 93% com 41% dos direitos de voto.

Dada a continuação de crescimento internacional, a empresa foi rebatizada de Sara Lee Corporation em 1985. A origem do nome Sara Lee deve-se ao facto de esta ser filha de Charles W. Lubin.

Em 1988, a Sara Lee Corporation adquiriu 100% do interesse económico da Douwe Egberts, com 41% sob a forma de ações com direito a voto e 59% sob a forma de certificados de ações distribuídos pela Douwe Egberts Sara Lee Trust. Em 1989 fundava-se a Sara Lee/DE. Esta situação perdurou até 1996, quando o órgão de administração foi dissolvido e a Douwe Egberts passou a subsidiária integral da Sara Lee.

Na primeira década do novo milénio, Sara Lee passou por tempos conturbados. A empresa tinha crescido consideravelmente graças à extensa atividade de aquisição, aumentando a gama de produtos e expandindo para mercados diferentes. Nessa década foi tomada mais tarde a decisão no sentido de se realizar uma separação em múltiplas divisões, abrangendo a Duyvis, Lassie, e Household & Body Care, conhecidas através das marcas Sanex, Dobbelman e Zwitsal.

Uma nova Douwe Egberts

Em 2011, tomou-se a decisão de dividir a Sara Lee numa unidade, que se iria centrar em produtos à base de carne nos Estados Unidos, e numa unidade especializada em café e chá, rebatizada de Douwe Egberts (depois de um breve período designada de CoffeeCo). A empresa foi lançada em bolsa em março de 2012 como sendo uma empresa inteiramente holandesa (sob o nome de D.E. Master Blenders 1753).

Em setembro de 2013, um grupo alemão de investidores sob a liderança de Joh A. Benckiser (JAB) adquiriu todas as participações da D.E. Master Blenders 1753, tornando-se a mesma numa empresa particular. Em maio de 2014 anunciou-se que a D.E. Master Blenders 1753 e a Mondelēz International iriam consolidar o seu negócio de café sob o nome de Jacobs Douwe Egberts (JDE).

A 5 de maio de 2015, a Comissão Europeia deu a sua aprovação condicional para a fusão da Douwe Egberts-Jacobs, que se realizou a 6 de julho de 2015. Assim, surgiu a maior empresa do mundo exclusivamente dedicada ao café.